25/11/2020 às 00h00min - Atualizada em 25/11/2020 às 00h00min

História africana e indígena será ensinada nas escolas de Florianópolis

Da Redação
Divulgação
A história dos países e da cultura africana, dos afrodescendentes e também dos indígenas vão ser ensinadas de forma obrigatória agora nas escolas municipais de Florianópolis. A decisão veio após aprovação de um projeto de lei na Câmara Municipal da cidade, na noite da última segunda-feira.

A nova lei surge na semana da Consciência Negra e dias depois do assassinato de João Alberto Freitas, negro, por seguranças brancos em um supermercado Carrefour em Porto Alegre-RS, que reacendeu a discussão sobre o racismo no Brasil.

O projeto de lei prevê que os professores recebam treinamento para levar o conteúdo a alunos da pré-escola e também no primeiro grau, através de material didático que será elaborado após consultar pesquisadores, organizações e lideranças dos movimentos negros e indígenas brasileiros.

A contextualização de episódios recentes sobre o racismo no mundo também serão abordados nas salas de aula. O prazo para o início das aulas ainda não foi definido.  “É importante criar esse conteúdo não só com base nos aspectos acadêmicos, mas também nos movimentos sociais que lutam pelos direitos dessas populações” disse o vereador Lino Peres (PT), autor do projeto de lei.

Segundo ele, a lei pretende ampliar debates como o do combate ao racismo e destacar dentro do ensino o papel relevante desempenhado por negros na história do Brasil durante todo o ano letivo.

Para a professora e ativista Érika Costa, a inclusão desses conteúdos no ensino ajudam na conscientização das pessoas e no combate ao racismo. “O povo negro precisa saber da sua representatividade, nós construímos todo esse país e muitas vezes não temos oportunidade por causa de um o racismo velado e estrutural, por isso precisamos combatê-lo todos os dias e isso começa na escola”, disse.
 
Link
Notícias Relacionadas
Comentários »
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp