22/06/2022 às 11h16min - Atualizada em 23/06/2022 às 00h01min

Biomarcadores evitam terapias invasivas contra o câncer de mama, explica oncologista

O médico Ramon de Mello afirma que a sobrevida global chegou a 97,2% dos casos de uma pesquisa com o uso da ferramenta

SALA DA NOTÍCIA Emilly Santos
Divulgação
O uso de biomarcadores tem permitido o tratamento de doenças oncológicas com abordagens menos evasivas. Para um dos subtipos do câncer de mama, que representa entre 50% a 60% de todos os tumores oncológicos de mama diagnosticados anualmente nos Estados Unidos, a ferramenta permitiu dispensar a radioterapia e a quimioterapia nas pacientes.
 
“Esses métodos tradicionais ainda são indicados para muitos tipos de câncer. Com os biomarcadores, temos outras opções e eliminamos os impactos que essas terapias podem trazer já com a sua aplicação, como efeitos colaterais agudos. Ao longo dos anos, essas terapias tradicionais também trazem riscos de doenças cardíacas e, inclusive, outros cânceres”, explica o médico oncologista Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica do doutorado em medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove), do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e PhD em oncologia pela Universidade do Porto, Portugal.
 
Um estudo recente com base no uso de biomarcadores para um determinado tipo de câncer, com mulheres com 55 anos ou mais, mostrou que o uso de terapia endócrina isolada após cirurgia conservadora da mama trouxe resultados positivos. Durante os cinco anos das pesquisas, a taxa de sobrevida global foi de 97,2% dos casos.

Ramon de Mello esclarece que biomarcadores podem ser células específicas, moléculas, genes, enzimas ou hormonas: “No caso específico do estudo, os cientistas utilizaram o biomarcador Ki67, que serviu como parâmetro para analisar o avanço do tumor oncológico e a eficácia do tratamento”.
 
Sobre Ramon Andrade de Mello
Pós-doutorado em Pesquisa Clínica no Royal Marsden NHS Foundation Trust (Inglaterra), Ramon Andrade de Mello tem doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Portugal).
 
O médico tem título de especialista em Oncologia Clínica, Ministério da Saúde de Portugal e Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO). Além disso, Ramon tem título de Fellow of the American College of Physician (EUA) e é Coordenador Nacional de Oncologia Clínica da Sociedade Brasileira de Cancerologia, membro da Royal Society of Medicine, London, UK, do Comitê Educacional de Tumores Gastrointestinal (ESMO GI Faculty) da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (European Society for Medical Oncology – ESMO), Membro do Conselho Consultivo (Advisory Board Member) da Escola Europeia de Oncologia (European School of Oncology – ESO) e ex-membro do Comitê Educacional de Tumores do Gastrointestinal Alto (mandato 2016-2019) da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (American Society of Clinical Oncology – ASCO). 
 
Dr. Ramon de Mello é oncologista do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e do Centro de Diagnóstico da Unimed, em Bauru, SP.
 
Confira mais informações sobre o tema no site
 

Informações para a imprensa:
Ex-Libris Comunicação Integrada - (11) 3266-6088
Edmir Nogueira – edmir@libris.com.br – (11) 98937-3503  
Emilly Andrade – emilly@libris.com.br
Marco Berringer – marcopaulo@libris.com.br 


 
Link
Notícias Relacionadas
Comentários »
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp