23/08/2021 às 14h06min - Atualizada em 24/08/2021 às 00h00min

LGPD: Multas e sanções entram em vigor em agosto e 84% das empresas brasileiras não estão preparadas

Empresas que não se adequarem às novas regras da lei de proteção de dados podem ser multadas em até R$50 milhões

SALA DA NOTÍCIA Cristina Lins
Agência Temma
Imagem: Freepik
Já está em  vigor as multas e sanções da nova lei de proteção de dados (LGPD) e cerca de 84% das empresas ainda não se adaptaram às novas regras estabelecidas pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). 
Segundo o CEO da Codeby, empresa de tecnologia, Fellipe Guimarães, os empresários devem estar atentos e adequarem seus sites de acordo com a nova lei. “O e-commerce não é apenas a sua loja virtual, é o canal digital da sua empresa. O empresário brasileiro deve se preocupar em garantir a segurança dos dados porque é uma referência de qualidade e preocupação com o seu cliente”.
Toda informação que possa identificar o cidadão terá uma política de uso e privacidade.  A empresa deve especificar e detalhar os processos internos de arquivo, quem tem acesso e como serão utilizadas essas informações. Qualquer inconformidade está sujeita a multa, sanção pelo órgão ANPD ou sujeito a processo judicial por vazamento de informações confidenciais do consumidor.

Aumenta a procura  por empresas e profissionais qualificados


Fellipe Guimarães, é cientista da computação, passou mais de 11 anos desenvolvendo soluções para negócios digitais. Em uma viagem à Europa para conhecer alguns de seus clientes de tecnologia, viu que um deles estava implementando os requisitos da LGPD na sua plataforma. 
“Criamos soluções de plataformas digitais para clientes de diferentes mercados e, após retornar dessa viagem, nos preocupamos em orientar nossos clientes sobre a importância de criar um sistema de proteção de dados. Dessa iniciativa surgiu a Startup LGPDY , na qual disponibilizamos pelo nosso site diversos materiais gratuitos, como o e-book e um curso sobre o tema.”.
O mercado de e-commerce teve uma alta na demanda desde o início da pandemia. Com o confinamento da população e a restrição de abertura de empresas e serviços, uma das soluções achadas pelos empreendedores foi a digitalização de seus negócios, ou seja, investir em tecnologia e desenvolver um e-commerce.

A Codeby, empresa de tecnologia com foco em soluções para comércio eletrônico, apenas em 2020, ano de pandemia, registrou crescimento de 165% comparando com os resultados de 2019. “A pandemia fez o empresário brasileiro repensar sobre a importância de implantar uma boa plataforma de e-commerce, que supra as necessidades dos seus clientes. Empresas que vendiam bem na loja física não queriam, inicialmente, investir intensamente no digital. Entretanto, o confinamento e lojas fechadas obrigaram os empresários a digitalizar seu negócio com urgência”, esclareceu o sócio da Codeby, Vitor Almeida.

Empresas com e-commerce bem estruturados

As empresas que já tinham uma plataforma bem desenvolvida, com uma estrutura, logística e atendimento online diferenciado, saíram na frente. Foi o caso da marca de calçados femininos La Femme, referência no segmento de calçados flats com pedrarias no Brasil, que possui um parque  fabril de 2.500 m² e duas lojas físicas abertas (Araçatuba e Birigui). 

“O fechamento do primeiro semestre deste ano foi muito próximo ao do ano passado, porém, sentimos diferentes reações dependendo da frente do negócio. Para a fábrica e as lojas tivemos uma queda em relação ao mesmo período de 2020, aproximadamente 15% de retração. Já na outra frente, o e-commerce, tivemos um crescimento de mais de 100% de 2020 para 2021. E acreditamos que possa crescer ainda mais” destacou o Diretor da La Femme, José Augusto. A empresa teve um resultado tão positivo que observou a necessidade no mercado  de implantar um e-commerce B2B para atender o cliente varejista.

Implantação da LGPD


            No primeiro trimestre de 2021, a Codeby realizou uma pesquisa com cerca de 130 profissionais que responderam questões relacionadas à preocupação em implantar as novas regras da LGPD no negócio. 

Segundo o estudo, os profissionais que mais demonstraram interesse em entender e colocar em prática a LGPD foram os residentes da região sudeste, com 47%; em seguida, a região sul, com 22,5%, e 14,7% na região nordeste. 

Entre os ramos de atividade, o grupo que demonstrou mais interesse pelo tema foram os profissionais das áreas de desenvolvimento, marketing, e-commerce e software, com 65,2%, seguidos pelos que atuam em serviços corporativos, jurídicos, financeiros e recrutamento com 29,6%, serviço ao consumidor, educação e saúde com 14% e indústrias e manufaturas com 6,2%.

Entre as principais dificuldades encontradas por esses profissionais, estão:
  • 42,6% - Falta de informação sobre o assunto;
  • 29,5% - Encontrar pessoas especialistas no assunto;
  • 18,6% - Prazo de implantação;
  • 9,3% -Contar com empresas capacitadas para conceder suporte na implantação.
Na pesquisa realizada pela Codeby, entrevistados que fizeram o curso, cerca de 93% dos profissionais sinalizaram que ainda não implantaram a LGPD no site da empresa que trabalham. No entanto, na base de clientes diretos da empresa mais de 95% já se adequou à nova lei de proteção de dados.
“Nosso trabalho dos últimos anos foi conscientizar o empresário e dono de um negócio digital, que tem interesse em usar nossas plataformas e serviços, em implantar o nosso software no site e entrar em conformidade antes mesmo da lei LGPD entrar em vigor no Brasil”, destacou Guimarães.
Todavia, a realidade desse percentual não condiz com a realidade da maioria das empresas brasileiras. A fama de deixar para última hora não é apenas do consumidor que deixa suas compras para última hora, como em véspera de datas comemorativas. Um levantamento feito pela consultoria ICTS Protiviti mostrou que 84% das companhias brasileiras não estão preparadas para as novas regras de privacidade de dados.
Importante ressaltar que, a LGPD não afeta apenas empresas que atuam no online. Para Ítalo Nogueira, presidente da Federação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro), todos os negócios terão que se adaptar à LGPD, seja online ou físico.
“Existia uma visão inicial de que a LGPD poderia afetar só a tecnologia, mas afeta todas as empresas e órgãos públicos que tenham interação e distribuição dos dados pessoais. Qualquer empresa, de varejo, serviços, construção, área médica, precisa estar atenta aos impactos”, enfatizou.

Como surgiu a lei no Brasil


A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais), que garante a segurança de dados de pessoas físicas, foi sancionada pelo presidente Michel Temer em 14 de agosto de 2018, com um período de vacatio legis de 24 meses para entrar em vigor. A lei brasileira foi inspirada na lei internacional GDPR (General Data Protection Regulation).
            A nova lei entraria em vigor em setembro de 2020, causando alvoroço no mercado, mas devido a pandemia e vários outros fatores, inclusive órgãos regulatórios, o atual presidente adiou para agosto deste ano. A Fecomércio solicitou às autoridades a criação de um órgão responsável por regulamentar as normas, e em julho de 2019 foi criada a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).
          As empresas físicas ou online, de acordo com a Lei 13.709.2018, precisam prestar contas de como os dados de seus clientes devem ser coletados, armazenados, processados e destruídos.

Entre as regras, a empresa deve especificar:
  • Titular:  dados de consumidores;
  • Controlador: pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que define como serão utilizados os dados;
  • Operador: pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que vai fazer o tratamento dos dados;
  • Encarregado (data Protection Officer): pessoa indicada para fazer a comunicação entre os dados do titular e do controlador.
A MP 959/2020 destaca que as sanções administrativas da LGPD passam a valer em 1º de agosto de 2021 em virtude da aprovação da Lei 14.10/20. O valor da multa é de 2% do faturamento da pessoa jurídica ou conglomerado do qual a empresa faz parte, e pode chegar até  R$50 milhões.

 
Link
Notícias Relacionadas
Comentários »
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp