27/10/2020 às 15h48min - Atualizada em 27/10/2020 às 15h48min

Apenas 13% das mulheres vítimas de violência em SC registram BO, diz polícia

Da Redação
Divulgação
Apenas 13,3% das mulheres vítimas de violência doméstica registram boletim de ocorrência em Santa Catarina. Os dados são da Polícia Civil, que estudou cada caso dos 45 feminicídios ocorridos de janeiro a outubro de 2020 no estado, com dados sobre vítima e autor.

Ainda no levantamento divulgado, 26,6% dos autores de feminicídio cometeram suicídio imediatamente ou alguns dias após o cometimento do crime.

A análise foi feita pela Coordenadoria das DPCAMIs (Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso) em Santa Catarina com base nas informações extraídas pela Diretoria de Inteligência e Informação da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Segundo a coordenadora das DPCAMIs, a delegada Patrícia Zimermann D´Ávila, este índice deve ser levado em conta porque é somente através da comunicação às autoridades que a Polícia Civil consegue atuar na investigação e na repressão, evitando que essas mortes aconteçam e oferecendo novas possibilidades de desfecho para esse ciclo.

Para a delegada, isso demonstra que se trata de um problema também a ser enfrentado através de ações de prevenção, além da importante repressão a que a Polícia Civil tem se dedicado. “Um alerta é que as mulheres em situação de violência entendam sobre como reconhecer sinais de agressividade e busquem ajuda no momento certo”, disse.

A relação da vítima com autor

O estudo também traz qual era a relação da vítima com autor e mostra que 80% delas mantinham uma relação amorosa com o autor e 26,6% tinham filhos com ele. A idade mostra que essas mulheres eram jovens, 44,4% eram menores de 35 anos.

Medidas de prevenção

O estudo vem como uma medida de prevenção e alerta à sociedade catarinense. A Polícia Civil está fortalecendo as suas ações internas para o combate aos feminicídios com o planejamento de medidas como o cumprimento de mandados de prisões e requerimentos de medidas protetivas e também em projetos com outras instituições e órgãos do Estado e pelo País. Também estão sendo feitas capacitações com grupos de mulheres (como as do campo) e reuniões com os Delegados de Polícia das DPCAMIs.
“Gostaria de chamar a atenção de você mulher que reflita sobre a situação da sua convivência com o seu parceiro íntimo. Se essa relação é conflituosa, abusiva, agressiva, peça ajuda”, conclama a Delegada.

Grupos de homens

Em outra frente, a Polícia Civil também tem investido nas ações de prevenção à violência com os grupos de homens.
Link
Notícias Relacionadas
Comentários »
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp