26/02/2024 às 15h24min - Atualizada em 26/02/2024 às 20h02min

A dengue pode estar dentro da sua empresa. Cuidado!

As empresas têm um papel importante no combate à dengue, um dos principais problemas de saúde pública do País. Já são mais de 740 casos prováveis e quase 100 óbitos confirmados

Da Redação
Oncare Saúde
A dengue pode estar dentro da sua empresa. Cuidado!
As empresas têm um papel importante no combate à dengue, um dos principais problemas de saúde pública do País. Já são mais de 740 casos prováveis e quase 100 óbitos confirmados
O Ministério da Saúde divulgou que o Brasil registrou, até 23/02, 740.942 casos prováveis de dengue, com 151 mortes confirmadas pela doença e incidência de 364,9 casos por 100 mil habitantes. Segundo os dados do Painel de Monitoramento das Arboviroses, o Distrito Federal, Minas Gerais, São Paulo, Acre, Paraná e Espírito Santo são os estados com mais casos.
Além de ser um dos principais problemas de saúde pública no País no momento, os casos de dengue também afetam as empresas.
Para Dr. Ricardo Pacheco, presidente da ABRESST - Associação Brasileira de Empresas de Saúde e Segurança no Trabalho e da Oncare Saúde as empresas precisam estar atentas para que suas instalações não se transformem em berçários para os mosquitos, transmitindo a doença para os trabalhadores, fornecedores e visitantes. “É importante observar, contudo, que não há dispositivos legais que atribuam dolo à empresa caso um funcionário contraia dengue em suas dependências. A Norma Regulamentadora NR-7 determina apenas que a companhia é responsável por prevenir, rastrear e diagnosticar precocemente os agravos à saúde relacionados ao trabalho. Há casos, porém, que ultrapassam as questões trabalhistas e se tornam uma situação de bem-estar coletivo. A luta contra a dengue é uma delas”, ressalta o médico.
 
O papel das empresas no combate à dengue e ações a serem adotadas para que não se transformem em criadouros do mosquito
As empresas têm um papel importante no combate à dengue, principalmente porque muitas vezes seus ambientes podem se tornar locais propícios para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.
Elas podem contribuir para a redução do impacto da dengue na comunidade e promover uma cultura de responsabilidade social corporativa e cuidado com o bem-estar da sociedade em geral.
Algumas ações devem ser adotadas para evitar que se tornem criadouros da dengue e contribuam para seu combate, como destaca o Dr. Ricardo Pacheco:
·         Realizar a limpeza e manutenção regular de seus espaços – para eliminar possíveis criadouros, removendo qualquer água parada que possa se acumular em recipientes como vasos de plantas, calhas, caixas d'água, pneus velhos, entre outros. “É importante estar sempre atento para identificar e eliminar ativamente qualquer local que possa servir para o mosquito se proliferar”.
·         Educar e conscientizar - promover a conscientização entre os trabalhadores sobre a importância de evitar o acúmulo de água parada e sobre as medidas preventivas contra a dengue é fundamental. “Essa ação tem impactos extramuros, ou seja, é praticada também nos lares dos trabalhadores, ampliando o combate à dengue”.
·         Instalar telas e proteções – para evitar a entrada de mosquitos nas instalações da empresa. “Medida simples, de baixo custo e de alta eficiência”.
·         Manter a atenção às áreas verdes - se a empresa possuir áreas verdes, é importante manter a vegetação aparada e livre de acúmulos de água. “Além de utilizar inseticidas ou medidas biológicas para controlar a população de mosquitos”.
·         Incentivar o uso de repelentes e inseticidas – em ambientes fechados, é possível fazer uso controlado de inseticidas para evitar que mosquitos transmissores apareçam. “É preciso observar apenas as especificações do produto, adequando-o ao fluxo de pessoas, à quantidade de vetores no local e ao tamanho do cômodo. Já o uso de repelentes é efetivo tanto em ambientes internos quanto externos, com destaque para os que possuem UVA e UVB em suas fórmulas”.
·         Realizar campanhas de prevenção - promover campanhas de conscientização não apenas entre os funcionários, mas também entre clientes, fornecedores e a comunidade local, incentivando a participação de todos na prevenção da doença. “Unir forças para prevenir a infestação é melhor que lamentar depois os doentes afastados”.
·         Monitorar e controlar - implementar sistemas de monitoramento para identificar possíveis focos do mosquito e adotar medidas de controle rapidamente. “Não dá para baixar a guarda para o mosquito transmissor, é preciso vigilância constante para manter o ambiente livre da dengue e as pessoas seguras”.
“É preciso deixar claro que o engajamento e a colaboração de todos os setores da sociedade são fundamentais para reduzir a incidência dessa doença. Combater a dengue é um esforço coletivo, então todos precisam ficar atentos a possíveis criadouros de mosquitos. Seguindo essas dicas, a empresa faz sua parte para prevenir a doença”, completa o presidente da ABRESST, Dr. Ricardo Pacheco.
 
Sobre a ABRESST
A Associação Brasileira de Empresas de Saúde e Segurança no Trabalho é uma entidade civil, de caráter profissional e sem fins lucrativos, com atuação em todo território nacional. É uma entidade que desde 1998 reúne e representa as empresas do setor, evidenciando para a sociedade os esforços que seus associados têm feito para melhorar a qualidade de vida do trabalhador brasileiro.
Reunindo empresas da área de saúde e segurança no trabalho e criando normas e métodos de qualificação dos serviços da categoria, a ABRESST defende legalmente os interesses de seus associados, representando todos com muito empenho e dedicação.
 
A ABRESST é presidida pelo médico Dr. Ricardo Pacheco, CRM-SP 87570 I RQE 22.683.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp