28/11/2023 às 17h48min - Atualizada em 29/11/2023 às 00h00min

Novembro Azul: robôs cirurgiões são aliados na luta contra o câncer de próstata

Médico do Hospital Felício Rocho esclarece a atuação da tecnologia no combate à doença

Naves Coelho
Acervo Hospital Felício Rocho

O mundo está azulado. Isso por conta da campanha Novembro Azul que trata atividades de conscientização em relação e a saúde masculina, especialmente quanto os cuidados necessários para a prevenção e tratamento do câncer de próstata.

Essa doença ocupa a segunda posição entre os tipos de cânceres mais frequentes no país (perdendo apenas para os tumores de pele não-melanoma) e a segunda causa de morte na população masculina. Além disso, a estimativa é de que neste triênio entre 2023 e 2025, ocorra uma média de 71.730 novos casos a cada ano. A projeção foi publicada pela pesquisa Estimativa 2023 – Incidência de Câncer no Brasil, do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

É em situações como essa que a medicina age de mãos dadas com a inovação e a tecnologia. O uso de robôs cirúrgicos tem se destacado como um aliado muito importante especialmente no campo da saúde masculina. No cenário das cirurgias de próstata e no tratamento do câncer de próstata, esses dispositivos têm desempenhado um papel significativo.

“A cirurgia robótica oferece magnificação da imagem, elimina os tremores naturais humanos, precisão milimétrica e visão tridimensional, permitindo aos cirurgiões realizar procedimentos complexos com maior acurácia. Nas cirurgias de próstata, essa tecnologia proporciona uma abordagem menos invasiva, resultando em recuperação mais rápida e menor tempo de internação para os pacientes”, explica o Dr. Francisco Guerra, médico urologista e coordenador da clínica de urologia do Hospital Felício Rocho.

Procedimentos por meio do acesso robótico cresceram, a propósito. Segundo uma publicação do jornal Estado de São Paulo, com a expansão de aparelhos, o número de procedimentos feitos nos últimos cinco anos foi de 88 mil, volume 417% superior ao número de cirurgias feitas na primeira década de uso da técnica, que atingiu cerca de 17 mil operações. “No contexto do câncer de próstata, o robô cirurgião desempenha um papel significante. Sua capacidade de realizar procedimentos precisos e minimamente invasivos é de grande relevância para a remoção eficaz do tumor, reduzindo os riscos associados à cirurgia tradicional”, continua o médico.

Em Belo Horizonte, a dimensão da atuação de robôs também tem crescido. Em junho de 2020, o Hospital Felício Rocho comemorava a marca de 1.000 cirurgias robóticas realizadas, somando todas as especialidades. Hoje, esse número é ainda maior e estaciona em 2.569. Destas 1.941, são urológicas.

Além disso, a utilização desses robôs tem impacto não apenas na eficiência das intervenções, mas também na qualidade de vida pós-operatória dos pacientes. A recuperação mais rápida e a redução de complicações são aspectos que destacam a importância desses avanços na saúde masculina.

“Diante desse cenário, a integração da cirurgia robótica nas práticas médicas relacionadas à próstata representa um salto significativo na possibilidade de se oferecer tratamentos mais seguros e eficazes. A contínua pesquisa e aprimoramento dessa tecnologia prometem um futuro ainda mais promissor para a saúde dos homens, redefinindo os padrões no cuidado com a próstata e no enfrentamento do câncer de próstata”, finaliza o médico do Hospital Felício Rocho.


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp