15/10/2020 às 11h08min - Atualizada em 15/10/2020 às 11h08min

Com participação de professora catarinense, cientistas propõem diretrizes globais para o uso sustentável de árvores não nativas

Da Redação
Ricardo Wolffenbuttel/Secom
Um grupo de 36 cientistas de 17 países propõe diretrizes globais para o uso sustentável de árvores que não são nativas, as chamadas espécies exóticas, como forma de auxiliar na proteção da biodiversidade e dos ecossistemas. Entre eles está a professora Michele Dechoum, do Departamento de Ecologia e Zoologia do Centro de Ciências Biológicas (CCB) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), uma das coautoras do artigo publicado no dia 8 de outubro, no periódico internacional NeoBiota.

De acordo com os pesquisadores, as espécies exóticas, quando ocupam de forma ostensiva as áreas das espécies nativas, são chamadas de exóticas invasoras, e elas representam a terceira maior ameaça à biodiversidade, ficando atrás somente de alteração do uso do solo e das mudanças climáticas.

De acordo com a UFSC, o texto teve como base o Código de Conduta para Árvores Exóticas Invasoras preparado para o Conselho Europeu (Council of Europe – Bern Convention Code of Conduct on Invasive Alien Trees), que apresentou oito recomendações focadas na maximização de benefícios e na minimização de impactos negativos provocados por árvores exóticas.

As diretrizes incluem o uso de árvores nativas ou exóticas que não sejam invasoras, em vez das invasoras, e a consideração do risco de invasão e das tendências de mudança global, assim como o desenvolvimento e o apoio a redes globais, à pesquisa colaborativa e ao compartilhamento de informações sobre árvores nativas e exóticas. Os cientistas sugerem que as diretrizes são o primeiro passo para a construção de um acordo global sobre os cuidados que devem ser tomados ao se introduzir e plantar árvores exóticas, servindo para complementar requisitos já dispostos em legislação internacional e na legislação nacional de alguns países.

“Há 67 espécies de árvores exóticas invasoras em todos os biomas brasileiros. Apesar de algumas delas terem relevância econômica, como é o caso de espécies de Pinus, é fundamental que medidas sejam tomadas de modo a regulamentar os tipos de uso permitidos e a minimizar a expansão a partir das áreas de plantio e os impactos negativos provocados. Somente dessa forma conseguiremos atingir nossos objetivos de desenvolvimento sustentável”, disse a pesquisadora da UFSC.

A aplicação das diretrizes globais e o cumprimento de seus objetivos ajudarão a conservar a biodiversidade, a garantir uma silvicultura sustentável e a atingir vários Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas relacionados com a biodiversidade terrestre. Os cientistas alertam que, caso essas diretrizes globais não sejam cumpridas, dificilmente esses objetivos serão alcançados.

Os pesquisadores também chamam a atenção para o fato de que algumas grandes campanhas de plantio de árvores, como a 60 Million Trees Initiative, do governo de Madagascar, não especificam ou até incluem espécies exóticas no rol de árvores a serem plantadas – frequentemente para equilibrar interesses econômicos e ecológicos. Outra proposta semelhante incluiu 60 milhões de árvores plantadas na Itália – uma para cada cidadão italiano para combater as mudanças climáticas –, na qual uma mistura de árvores nativas e não nativas foi recomendada.
Link
Notícias Relacionadas
Comentários »
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp