23/10/2023 às 17h43min - Atualizada em 24/10/2023 às 00h00min

Locação em shopping center e a mudança de sócio da empresa locatária

Murilo do Carmo Janelli
Foto: Daniel Cerveira

Daniel Cerveira*

 

A locação de espaços em shopping centers é considerada uma espécie de contrato atípico pelos Tribunais brasileiros, em consideração às particularidades desta espécie de acordo e nos termos do artigo 54 da Lei do Inquilinato.

 

Ocorre que os locadores frequentemente inserem cláusulas abusivas nos contratos de locação, que não se justificam à luz das necessidades dos centros comerciais e contrariam a boa-fé contratual estabelecida no Código Civil. Entre tais cláusulas está aquela que equipara a alteração do controle societário da pessoa jurídica inquilina à cessão do contrato de locação (cessão esta que, nos termos do artigo 13 da Lei do Inquilinato, deve ser autorizada pelo locador).

 

Tal dispositivo contratual é utilizado, na prática, para impedir os sócios da pessoa jurídica locatária de “vender” sua empresa a terceiros, ou para exigir a cobrança de valores a título de “taxa de transferência”; a cessão das quotas da empresa locatária para terceiros a autorização do locador sujeita o lojista até mesmo ao despejo por infração contratual.

 

A referida cláusula deve ser anulada, senão vejamos:

 

Quando há a locação de um imóvel a uma pessoa jurídica, a modificação de seu controle societário não resulta na modificação da inquilina, que permanece a mesma; a personalidade jurídica da empresa não se confunde com a figura de seus sócios, nos termos do artigo 52 do Código Civil.

 

Por exemplo, em decisão (apelação o n.º 1023300-33.2016.8.26.0577) do TJ/SP restou declarada a abusividade da norma contratual, sob os seguintes argumentos: “Assim sendo, considerando que o contrato de locação foi celebrado com a pessoa jurídica e com ela se manteve, é irrelevante a mudança do quadro societário, pois, em última análise, não houve mudança do inquilino pessoa jurídica. Por isso, ao prever que a alteração do quadro societário necessita de prévia autorização da locadora houve intromissão indevida na relação societária, o que não é dado à locadora exigir, impondo-se o reconhecimento da nulidade dessa cláusula contratual por abusividade (art. 45 da Lei n.º 8.245/91)”.

 

O defendido pela decisão retro e outras existentes representa importante avanço nas relações entre lojistas e empreendedores de shopping centers, na medida em que os sócios das pessoas jurídicas inquilinas, com base no entendimento, poderão livremente “vender” as suas empresas, sem qualquer pagamento a título de “taxa de transferência”, que é frequentemente fixada em quantias elevadas.

 

*Daniel Cerveira, sócio do escritório Cerveira, Bloch, Goettems, Hansen & Longo Advogados Associados. Autor do livro "Shopping Centers - Limites na liberdade de contratar", São Paulo, 2011, Editora Saraiva. Consultor Jurídico do Sindilojas-SP. Pós-Graduado em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV/SP) e em Direito Empresarial pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atuou como Professor de Pós-Graduação em Direito Imobiliário do Instituto de Direito da PUC/RJ, MBA em Gestão em Franquias e Negócios do Varejo da FIA – Fundação de Instituto de Administração e Pós-Graduação em Direito Empresarial da Universidade Presbiteriana Mackenzie. 
 


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp