19/10/2023 às 17h50min - Atualizada em 20/10/2023 às 00h00min

Exame oferecido no SUS é fundamental para o diagnóstico da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)

Responsável por atingir cerca de 6 milhões de brasileiros, a doença é subdiagnosticada no país, mas pneumologista explica que pode ser facilmente identificada por meio da espirometria

Gabriela Castilho
Créditos: Freepik
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) atinge cerca de 210 milhões de pessoas em todo o mundo. Já no Brasil, a enfermidade acomete cerca de 6 milhões de indivíduos, com apenas 12% recebendo diagnóstico.1

“Apesar de não ter cura, a DPOC pode ser tratada e controlada desde que o paciente consiga aderir ao tratamento prescrito pelo médico”, informa a pneumologista Fernanda Miranda (CRM GO 6818), professora na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás e presidente da Sociedade de Pneumologia e Tisiologia de Goiânia.
Para auxiliar os pacientes a entenderem melhor essa doença respiratória, a Dra. Fernanda elenca os principais pontos sobre a DPOC.

O que é:
De acordo com a pneumologista, “trata-se de uma doença pulmonar progressiva, ou seja, que piora com o tempo, caracterizada pela obstrução das vias aéreas, responsável por comprometer a saúde e a qualidade de vida de quem convive com DPOC”. “Suas características mais comuns são a obstrução dos brônquios e destruição dos  alvéolos, que limitam o fluxo de ar pelo pulmão, podendo ser caracterizada como bronquite crônica ou enfisema pulmonar – enfermidades que fazem parte da DPOC”, afirma Miranda.

Fatores de risco:
Causada principalmente pelo tabagismo, em função dos efeitos da fumaça de cigarro nos pulmões, a médica ressalta que a DPOC também pode ser associada à exposição de outras substâncias tóxicas1, “como poeira ou produtos químicos, e ainda à combustão de biomassa (fogões a lenha), que provocam alterações progressivas na estrutura e função do pulmão”.

Dados epidemiológicos:
Acomete principalmente indivíduos após os 40 anos de idade e com histórico de tabagismo ou outras exposições nocivas2. No Brasil, cerca de 6 milhões de pessoas convivem com a DPOC e, em 2020, as doenças do aparelho respiratório (CID-10) foram responsáveis por 148.773 óbitos, ficando acima das mortes por causas externas (acidentes e violências) e abaixo das doenças do aparelho circulatório, doenças infecto-parasitárias e neoplasias, segundo informações do Sistema de Informação de Mortalidade do DATASUS1,3,4.

Sintomas:
Entre os principais sintomas da DPOC, estão a dispneia: falta de ar aos esforços que pode progredir até para atividades simples do dia a dia, como tomar banho; e a tosse crônica: geralmente produtiva, com expectoração de muco ou catarro1. “Também é muito comum o chiado no peito, que se apresenta como um som agudo ou sibilante ao respirar, além da sensação de aperto, desconforto ou opressão no peito e sensação de que o ar não está fluindo adequadamente durante a respiração”, diz a pneumologista.

Diagnóstico:
Com apenas metade dos casos de doenças crônicas identificados em todo o mundo, o que inclui DPOC, aproximadamente 1 em cada 10 pessoas com condições crônicas é tratada com êxito5. “Entre as razões para esta subnotificação está o fato de que fumantes não costumam valorizar seus sintomas, pois acham ‘normal’ apresentar cansaço aos esforços ou ter tosse e secreção, principalmente no período da manhã. No entanto, estes já são sintomas da doença e devem ser cuidadosamente avaliados por um pneumologista, visto que o diagnóstico envolve uma avaliação médica completa, incluindo histórico clínico, exame físico e exames complementares, sendo a espirometria o mais importante para identificar e monitorar a DPOC.”, destaca Miranda.

A pneumologista explica que a espirometria consiste em um teste de função pulmonar que mede o volume de ar que uma pessoa pode inalar e exalar, bem como a velocidade com que o ar é expelido dos pulmões. Durante o exame, o paciente sopra em um aparelho chamado espirômetro, que registra os volumes e fluxos de ar. A espirometria fornece informações sobre a função pulmonar, como a capacidade vital forçada (CVF) e o volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1). Com base nesses parâmetros, é possível avaliar a presença e a gravidade da obstrução das vias aéreas, o que auxilia no diagnóstico da DPOC.

"Esse exame será solicitado ao paciente em casos de suspeita da doença e com base em sintomas apresentados pelo paciente. Pessoas com fatores de risco, como fumantes, ex-fumantes, pacientes com tosse crônica ou dispneia inexplicada devem realizar uma vez por ano. No Brasil, a espirometria está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) para a população, sendo oferecida em centros de saúde, hospitais e clínicas conveniadas ao setor público”, ressalta.
Segundo a pneumologista, os principais métodos de diagnóstico também incluem:
  • Radiografia de tórax: ajuda a excluir outras condições pulmonares e a identificar possíveis complicações2.
  • Testes de função pulmonar: além da espirometria, outros testes podem ser realizados para avaliar a função dos pulmões e a gravidade da obstrução das vias aéreas2.
  • Exames de sangue: podem ser solicitados para verificar a dosagem de alfa-1 antitripsina (uma proteína envolvida na proteção dos pulmões)2.
Contato para a imprensa
BCW:
Karina Klinger
Gabriela Castilho

Referências
1 Sociedade Paranaense de Tisiologia e Doenças Torácicas. Sociedade Paranaense de Tisiologia e Doenças Torácicas: Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Disponível em: http://www.pneumopr.org.br/tag/dpoc/. Acessado em 10/07/2023.
2 Ministério da Saúde. PCDT Resumido. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica: Portaria conjunta SAES/SCTIE/MS nº 19. de 16 de novembro de 2021. Disponível em: https://www.gov.br/conitec/pt-br/midias/protocolos/resumidos/20220912_PCDT_Resumido_DPOC_final.pdf. Acesso em 12 de julho de 2023.
3 Ministério da Saúde. DATASUS: Óbitos por ocorrência segundo causa em 2019 – CID-BR-10. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10uf.def. Linha Categoria CID-10, Coluna Ano do Óbito, Conteúdo Óbitos p/Residência, Ano 2019. Acessado em 04/07/2023.
4 Berti, LO; De Souza, TC; Magri, MPF. Processo de luto frente à equipe de enfermagem do pronto socorro. Brazilian Journal of Health Review 2023; 6(3): 10271-10287.
5 Organização Pan-Americana da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas:. Organização e prestação de atenção de alta qualidade às doenças crônicas não transmissíveis nas Américas.  Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/18640/9789275717387_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 10/07/2023.
Material dirigido ao público em geral. Por favor, consulte o seu médico.
NP-BR-CPU-PRSR-230002 – AGOSTO/2023
 

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp