21/03/2023 às 09h47min - Atualizada em 22/03/2023 às 00h02min

Dia Mundial da Infância: Pobreza acomete 32 milhões de crianças e adolescentes no Brasil, segundo a UNICEF

Diretora-presidente do Instituto Opy, Heloisa Oliveira, reitera que as desigualdades regionais e de raça agravam os efeitos da pobreza nas famílias com crianças

SALA DA NOTÍCIA Luana Dallabrida
Divulgação
No Dia Mundial da Infância, é importante refletir que nem todos possuem motivos para comemorar. Afinal, a fome continua sendo uma realidade para milhares de crianças e adolescentes no Brasil. O novo estudo da UNICEF, com apoio da Fundação Vale, relata que 32 milhões de meninos e meninas (63% do total) enfrentam a pobreza diariamente. Com a pandemia de Covid-19, a situação ficou ainda mais grave, com famílias enfrentando dificuldades econômicas e de acesso a alimentos. A fome na infância pode levar a consequências graves, como o atraso no desenvolvimento físico e cognitivo, além de prejudicar o desempenho escolar.

A pesquisa relata ainda que, entre 2020 e 2021, o número de crianças e adolescentes privados de renda familiar necessária para uma alimentação adequada passou de 9,8 milhões para 13,7 milhões, um aumento de 3,9 milhões. Os percentuais de privação tiveram elevação tanto para negros e indígenas (31,2%) quanto para brancos e amarelos (17,8%).

O estudo intitulado “As Múltiplas Dimensões da Pobreza na Infância e na Adolescência no Brasil”, constatou ainda que, em 2021, o percentual dessa faixa etária que vivia em famílias com renda abaixo da linha da pobreza monetária extrema (menos de 1,9 dólar por dia) atingiu o maior nível dos últimos cinco anos: 16,1%, versus 13,8% em 2017.

De acordo com a diretora-presidente do Instituto Opy, Heloisa Oliveira, os dados ajudam a refletir sobre os desafios que já eram grandes e foram potencializados, no período da pandemia do coronavírus. “As desigualdades regionais e de raça agravam os efeitos da pobreza que afeta de forma ainda mais severa as crianças e os adolescentes”, afirma.

Para reverter este cenário, a UNICEF recomenda: priorizar investimentos em políticas sociais; ampliar a oferta de serviços e benefícios à crianças e aos (às) adolescentes mais vulneráveis; fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente; implementar medições e o monitoramento das diferentes dimensões da pobreza e suas privações por um órgão oficial do Estado; promover a segurança alimentar e nutricional de gestantes, crianças e adolescentes, garantindo a eles (as) o direito humano à alimentação adequada e reduzindo o impacto da fome e da má nutrição nas famílias mais empobrecidas; implantar com urgência políticas de busca ativa escolar e retomada da aprendizagem, em especial da alfabetização; priorizar, no âmbito das respectivas esferas de gestão, a agenda de água e saneamento para o desenvolvimento e implementação de políticas públicas; implementar formas de identificar precocemente as famílias vulneráveis a violências, incluindo trabalho infantil; e promover e fortalecer oportunidades no ambiente escolar e na transição de adolescentes para o mercado de trabalho. O Instituto Opy endossa as recomendações da UNICEF.


SOBRE INSTITUTO OPY
Braço filantrópico da Opy Health, gestora de infraestrutura hospitalar, o Instituto Opy de Saúde atua como articulador, fomentador de ideias, projetos e ações de grande impacto social na promoção da saúde de crianças, gestantes e na redução de fatores de risco das doenças crônicas não transmissíveis.

Contatos:
Luana Dallabrida
Atendimento Sênior
LAM Comunicação
[email protected] | 47 99982-8422

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp