15/02/2021 às 00h00min - Atualizada em 15/02/2021 às 00h00min

​Entidades articulam soluções para agilizar imunização contra a Covid em SC

Da Redação
Divulgação
Entidades públicas de Santa Catarina montaram uma força-tarefa para tentar dar mais agilidade à vacinação contra a Covid-19 no estado. O presidente da Fecam (Federação Catarinense de Municípios), Clenilton Pereira, o Procurador Geral de Justiça do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), Fernando Comin, e  o Secretário de Estado da Saúde, André Motta, se reniram durante a última semana para tratar do assunto.

O representante da Fecam abordou as dificuldades enfrentadas pelos gestores municipais e reforçou a necessidade de difundir informações e orientações de forma mais assertiva. “Nosso objetivo é unir forças para que a população catarinense seja imunizada de forma mais célere. Queremos nos aproximar cada vez mais com Ministério Público e Governo do Estado para garantir que os prefeitos e prefeitas tenham segurança e estejam preparados para promover a vacinação sem atrasos", disse.

Comin ressaltou a parceria histórica entre MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) e Fecam, que tem proporcionado a efetividade de várias ações a nível estadual ao longo dos últimos anos, e afirmou que ela será mantida.

“A Fecam tem alcançado um grau de legitimação e visibilidade importante e, sem dúvida alguma, os municípios têm papel fundamental no processo de vacinação. Precisamos entender melhor e acompanhar com olhar cuidadoso o problema do atraso no cronograma de imunização em Santa Catarina. Nesse momento é crucial que haja uma comunicação mais eficiente, temos percebido que atualmente há uma insegurança na tomada de decisões por parte dos gestores municipais", disse.

O Secretário de Estado da Saúde admitiu a necessidade de acelerar o processo de vacinação. De acordo com André Motta, o cenário ideal seria a imunização diária de 15 mil a 20 mil pessoas, mas Santa Catarina tem vacinado atualmente entre 5.000 a 10 mil pessoas por dia.

“O plano estadual de vacinação está espelhado no plano federal, temos fornecido todas as informações necessárias aos municípios para que o cronograma seja cumprido. O que necessitamos agora é de um alinhamento de discursos para esclarecer eventuais dúvidas e aumentar a velocidade da imunização, promovendo campanhas em finais de semana e usando as equipes de saúde disponíveis nos municípios", afirmou.

O procurador do MPSC também cobrou mais agilidade. "É preciso sintonia e estratégia de comunicação para que tenhamos mais transparência e segurança. O momento exige celeridade, precisamos mudar o ritmo do processo de vacinação no Estado", afirmou Comin. 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp