30/05/2022 às 12h28min - Atualizada em 30/05/2022 às 15h21min

Automedicação? Conheça os riscos à saúde desse perigoso hábito

Especialista do Hospital HSANP explica que remédios sem prescrição podem mascarar doenças graves, além de provocar intoxicação e até mesmo a morte

SALA DA NOTÍCIA Aryane Pereira Costa

Automedicação? Conheça os riscos à saúde desse perigoso hábito

 

Especialista do Hospital HSANP explica que remédios sem prescrição podem mascarar doenças graves, além de provocar intoxicação e até mesmo a morte

 

São Paulo, maio de 2022 – Embora seja desaconselhada por qualquer profissional ou órgão de saúde, a automedicação já se tornou um hábito em nosso país. Segundo dados do Conselho Federal de Medicina, 77% dos brasileiros usam remédios sem nenhum tipo de prescrição ou orientação médica. O que talvez essas não saibam, porém, é que um frasco ou comprimido esquecido no armário pode ser responsável por uma intoxicação medicamentosa, além de mascarar sintomas de doenças mais graves, alergias e patologias.

 

Um levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que aproximadamente 10% das internações hospitalares são provocadas por reações a remédios ingeridos de maneira indevida. De acordo com o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), as drogas para dor, febre e inflamações lideram o ranking dos causadores de intoxicação medicamentosa.

 

“O uso indiscriminado de medicamentos antigripais, por exemplo, pode levar ao comprometimento cardiovascular em pacientes suscetíveis, o que pode gerar imediatamente picos hipertensivos, arritmias cardíacas, risco de derrames, infartos e até mesmo a morte”, alerta Vanessa de Araújo Cassimiro, supervisora da farmácia do Hospital HSANP.

 

A especialista lembra que receitar medicamentos não é tarefa para qualquer um. “Necessita de estudo, experiência e, principalmente, de responsabilidade. Caso esteja com alguma dor ou sintoma, a orientação de um profissional habilitado é o melhor a fazer por você e pela sua família, pois as consequências podem ser enormes”, aponta.

 

A supervisora da farmácia do Hospital HSANP lista os principais riscos provocados pela automedicação:

 

Mascaramento de doenças graves e evolutivas: “Quando o paciente recorre à automedicação, o intuito geralmente é diminuir algum sinal indesejável. Mas esses sintomas, na verdade, são um alerta de que o organismo está entrando em sofrimento por algum fator. O remédio utilizado sem auxílio médico pode mascarar o motivo pelo qual o organismo está entrando em sofrimento, podendo agravar uma doença e diminuir as chances de cura”. 

 

Resistência microbiana: “Há classes de medicamentos que, quando usadas em demasia, causam dependência. Esta dependência faz com que, cada vez mais, sejam necessárias dosagens mais altas para obter o efeito desejado. Os antibióticos usados indiscriminadamente criam resistência. Ou seja, é formada uma memória de defesa à formulação do medicamento, que deixa de surtir efeito”. 

 

Interações medicamentosas: “Alguns fármacos interagem entre si, o que pode potencializar ou anular o efeito um do outro. Por isso, quem já toma algum remédio contínuo deve ter cuidado redobrado”. 

 

Sobre o HSANP

Hospital referência na Zona Norte da cidade de São Paulo e tem como missão ser assertivo com práticas humanizadas, promovendo a melhor experiência e resultados no cuidar de pessoas.

 

Informações à imprensa | Image 360

Aryane Costa

(11) 96634-9288


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Manezinho News Publicidade 1200x90
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp