01/10/2021 às 17h00min - Atualizada em 04/10/2021 às 11h00min

Dia Mundial da Trombose é celebrado para prevenir, conscientizar e esclarecer dúvidas sobre a doença

População deve ter noções sobre o risco do tromboembolismo venoso e sua importância, além de conversar com os seus médicos sobre esse assunto diante de internações ou cirurgias

SALA DA NOTÍCIA Way Comunicações
Divulgação
No dia 13 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Trombose, mas devemos estar em alerta para essa afecção todos os dias. A trombose é a formação de coágulos dentro dos vasos sanguíneos, onde o sangue no estado líquido se transforma numa “massa” de células e em outros elementos que podem obstruir parcialmente ou na totalidade os vasos. Os sintomas mais comuns, considerando-se as tromboses venosas de membros inferiores, são dor e inchaço da panturrilha.

O coordenador do Departamento de Doenças Venosas da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular Regional São Paulo (SBACV-SP) e membro do Subgrupo de Tromboembolismo Venosa da SBACV-Nacional, Dr. Adilson Ferraz Paschoa, esclarece que a incidência no Brasil é em torno de um a dois casos de trombose a cada mil habitantes ao ano, ou seja, até 400 mil casos por ano. Outros estudos internacionais relatam ocorrências maiores, que chegam a três casos por mil habitantes por ano.

Mas para entender melhor sobre a doença, é preciso compreender primeiro as diferenças entre os tipos de trombose. Existe a trombose arterial e a trombose venosa, e embora ambas estejam no contexto da circulação, apresentam características muito particulares.

Trombose Arterial
Na trombose arterial há um predomínio de plaquetas que geralmente se instalam sobre uma placa de cálcio ou gordura. Também, a formação de coágulos dentro do coração pode “viajar” na circulação e obstruir uma artéria à distância, processo que chamamos de embolia. “As tromboses arteriais, a depender do território acometido, podem causar o acidente vascular encefálico, infarto agudo do miocárdio e obstrução de artérias principais dos membros, podendo levar, nos casos extremos, à ocorrência de gangrena, alerta Dr. Paschoa.

Trombose Venosa
Todavia, no escopo do Dia Mundial da Trombose, são mais relevantes as tromboses venosas, que apresentam um curso clínico bastante distinto. A obstrução de veias secundárias ou principais acomete preferencialmente os membros inferiores e, na maioria das vezes, está associada a fatores de risco. Esse tipo de trombose costuma provocar inchaço do membro e dor. Evidentemente, quanto maior for a veia acometida, maior será a repercussão clínica. Os coágulos formados nas veias contam com predomínio de células do sangue ligadas a fatores de coagulação. Esses também podem se desprender, totalmente ou em fragmentos, e atingir os pulmões, causando uma embolia pulmonar (EP). As tromboses venosas profundas (TVP), diferentemente das tromboses arteriais, raramente provocam a perda do membro. No entanto, a trombose venosa pode ser inicialmente silenciosa e a embolia pulmonar pode ser fatal.

Ele ainda chama a atenção para um aspecto muito importante: a população deve ter noções sobre o risco do tromboembolismo venoso e sua importância, além de conversar com os seus médicos sobre esse assunto diante de internações ou cirurgias.

O presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), Dr. Bruno Naves, explica que, sendo a trombose muito mais frequente em pessoas idosas, e como hoje a longevidade no Brasil é um fato, é possível realizar algumas medidas de prevenção, como evitar longos períodos na mesma posição, procurar fortalecer a panturrilha, manter uma hidratação adequada e ter uma vida ativa fisicamente. “Uma longevidade ativa e saudável é a aspiração de todos e exige atitude e informação de qualidade. É melhor cuidar da saúde do que da doença”, diz Dr. Naves.
 
Link
Notícias Relacionadas
Comentários »
Contato pelo whatsapp...
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp